Friday, September 05, 2008

Hellboy II

Essa resenha era pra sair no miolos, mas como eu atrazei pra caramba tô postando aqui no blog. A ilustra é bem velha, mas tava sem tempo pra fazer uma nova. Semana que vem posto algumas fotos de San Diego e conto como foi a viagem (mais de um mês depois de ter voltado).

Gillermo del Toro e um gênio!!! Depois de dirigir Blade II e Hellboy, Guillermo ganhou publico e critica com o Labirinto de Fauno, e agora volta com Hellboy II, um maravilhoso filme que mistura o universo criado por Mike Mignola com a bizarra fantasia que o diretor trouxe às telas em seu último filme, com uma pitada de Homens de Preto.

Diferente do primeiro filme, Hellboy e o Exercito Dourado, apresenta elementos inéditos em relação à HQ, e que segundo Mignola jamais acontecerão nos quadrinhos. Mesmo assim a essência do personagem está lá, temos até uma aparição do jovem Hellboy e do professor Broom contando a lenda do exército dourado em uma ótima animação. Outro diferencial é que, como o personagem já foi introduzido no primeiro filme, não há a necessidade de apresentar os personagens, o que deixa espaço para outras tramas e mais ação.

No filme depois que Hellboy (Ron Perlman) “sai do armário”, virando uma figura pública, um novo membro se une à equipe do Bureau de Pesquisa e Defesa Paranormal, um “fantasma” alemão chamado Johann Krauss. O problema é que pra variar um pouco, Hellboy não está disposto a aceitar a autoridade do novo membro, que faz questão de apontar os inúmeros defeitos do vermelhão. Enquanto isso Nuada Silverlance, o príncipe exilado de Bethmoora, busca as três partes da coroa que comandará o tal exército dourado. As cenas de ação que envolvem o príncipe Nuada são impressionates, chegam a lembrar as lutas de Legolas em “O senhor dos Anéis”, o que prova o quanto foi apropriada a escolha de Del Toro como diretor do Hobbit.

Nessa aventura ganham destaque também os personagens coadjuvantes, com Liz Sherman, vivida por Selma Blair, Abe Sapien, interpretado por Doug Jones, e também para os mais obscuros, Tom Manning (Jeffrey Tambor), o diretor do BPRD e Johann Krauss (John Alexander e James Dodd, movimentos e Seth Macfarlane, voz).

Se não bastasse a ação, com excelentes cenas de briga entre Hellboy e Nuada, os efeitos especiais dão um show a parte. A seqüência que mostra o Mercado dos Trolls conta com um grande número de criaturas mágicas o que possibilita que os atores e mímicos Brian Steele e Dog Jones desempenhem mais de um papel, deixando obvio o motivo de Guillermo Del Toro continuar escalando os dois para seus filmes. O mercado em si também chama bastante a atenção, um trabalho de cenografia primoroso que aliado à maquiagem e à fotografia nos transporta para um mundo das fadas bizarro e assustador.

O único problema do filme fica a cargo do final, que deixa os fãs com um gostinho de quero mais, mas que vai demorar bastante a chegar às telas devido os outros compromissos do diretor. Resta a dúvida se o próximo filme será mais fiel aos quadrinhos e trará outros personagens do BPRD ou se seguira uma linha totalmente separada das HQs.

Humor: Bom/Médio
Ouvindo: Fake tales of San Francisco (Artic Monkies)
Lendo: Espectro (DC Especial 5)
Assistindo: Liga da Justiça sem Limites
Jogando: nada
Comendo: Bolinhas de Batata assada
Bebendo: aguá

2 comments:

Weberson Santiago said...

Muito louco esse Hellboy, Freitas. Foi lá pro Mignola, né? Sumiu do TNT, poxa vida! Vamos postar, vamos postar! Abraços, sucesso e se espirrar, SAÚDE!

André said...

Eae seu Webs, foi sim, inclusive peguei a imagem lá no site da Quanta...
Preciso voltar a dar as caras lá no TNT, fiz o coringa e ia mandar pro tema circo, mas acabou no mesmo dia :( Vou fazer alguma coisa pro nu artístico.
abração